Arquivo para campanha social - Daniele Barreto
05
março
2014
Campanha da Fraternidade 2014: Fraternidade e Tráfico Humano

Olá, genteee,

hoje tem mais um post (uhuuuullll rsrs), desta vez sobre uma questão ligada não só a Igreja Católica, mas a todo aquele que não aceita, se indigna e faz a sua parte para ajudar pessoas que, muitas vezes, estão impotentes diante do sofrimento e dos crimes dos quais são vítimas.

Vamos falar da Campanha da Fraternidade 2014: Fraternidade e Tráfico Humano.

A Campanha da Fraternidade 2014 – que focaliza sempre um tema da vida social, tem o objetivo de ajudar as pessoas e é considerada um instrumento de evangelização – acaba de ser aberta (14h) pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) com o tema “Fraternidade e Tráfico Humano” e o lema “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (eu sempre atrapalhava LEMA com TEMA na prova de religião, no colégio que estudei o primeiro grau kkkkkkk).

O tráfico humano:

O tráfico de pessoas para exploração econômica e sexual está relacionado ao modelo de desenvolvimento que visa diminuir os custos do trabalho. Antigamente, escravos eram capturados e vendidos como mercadoria. Hoje, a pobreza torna vulneráveis milhares de pessoas que garantem oferta de mão-de-obra para o tráfico.

Por ano, mais de 2,5 milhões de pessoas são traficadas em todo o mundo. É um número assustador e cujo rentabilidade está em torno de US$ 32 bilhões (cerca de 70 bilhões de reais), sendo o terceiro crime mais lucrativo do mundo, perdendo apenas para o tráfico de armas e drogas. 

Em torno desse lucrativo negócio – que pode ou não envolver o tráfico internacional – existem empresários, fazendeiros, agentes de prostituição, poderosos ligados ao entretenimento, além dos intermediários – chamados de “gatos” (gente que alicia pessoas para serem exploradas), os “coyotes” (especialistas em transportar pessoas pela fronteira entre o México e os Estados Unidos).

Uma pesquisa produzida pela Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça, em parceria com a ONU (UNODC), revelou pela primeira vez detalhes sobre tráfico de pessoas nos 11 estados fronteiriços do Brasil. O Diagnóstico sobre Tráfico de Pessoas nas Áreas de Fronteira no Brasil mostra que pelo menos 475 pessoas, no período de 2005 a 2011, foram vítimas do tráfico de humanos. A maioria mulheres até 29 anos.

Em regra as famílias têm vergonha de informar aos órgãos competentes, isso porque muitos traficados (mulheres, especialmente) são convencidos a uma “vida mais fácil e lucrativa” no exterior. Outras famílias passam a conviver com a constante ameaça das quadrilhas. Para o enfrentamento eficaz, há a necessidade de sofisticação nos procedimentos das polícias e órgãos interligados à proteção de direitos humanos e das mulheres.

Mas a preocupação não é exclusivamente o tráfico internacional de pessoas. (como citei acima)

Há o tráfico para lavouras, carvoarias e fazendas em todo o país (e aí convoco-os a refletir, inclusive, sobre os políticos que já foram denunciados na mídia por manter seres humanos em trabalho escravo ou análogo ao de escravo em suas propriedades). O diagnóstico feito pela ONU/Ministério da Justiça revelou que grande incidência do tráfico de pessoas para trabalhar no Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Amazonas e Pará; e para fins de exploração sexual no Amapá, Roraima, Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Outros dois crimes comuns são a servidão doméstica de crianças (muitas famílias até “adotam” a filha da empregada ou de alguma família carente, mas submetem a trabalhos forçados, por vezes em troca de casa, escola e comida) e adolescentes e o uso de “mulas” para o transporte de substâncias ilícitas entorpecentes.

Mas há uma curiosidade revelada pelo documento: estão surgindo novas modalidades, dentre elas a exploração da mendicância, o tráfico de adolescentes para exploração em clubes de futebol (pais e mães entregam procurações para aliciadores que passam a negociar contratos e submeter adolescentes a um extenuante treinamento, os valores pagos pelos clubes não são entregues às famílias e os garotos recebem apenas moradia e alimentação) e o tráfico de pessoas indígenas (pais e mães indígenas que, por pobreza e desconhecimento sobre se tratar de crime, permitem que seus filhos/filhas viajem brasileiros ou estrangeiros, sendo casos de difícil solução tendo em vista que os aliciadores não se identificam e muitos desses indígenas passam a ter paradeiro totalmente desconhecido – presume-se que são usados em redes de prostituição ou exploração de mão de obra infantil).

Em regra o traficado – homens, mulheres, travestis, transgêneros, crianças, adolescentes – vive em condição de vulnerabilidade, e não raro as famílias acreditam em pessoas (criminosos) que parecem, efetivamente, querer ajudá-las.

É importante salientar que esse diagnóstico feito pelo Ministério da Justiça vai permitir a realização de ações de prevenção e repressão desse crime, segundo o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. É necessário, portanto, campanhas de conscientização para ampliar as denúncias e um planejamento voltado para execução de políticas públicas – afinal, o tráfico não existe como um crime dissociado da forma de vida da sociedade; pelo contrário, ele é parte de uma engrenagem que perpassa pela geração de emprego e renda, combate à pobreza, melhor controle das fronteiras, fortalecimento da mulher no mercado de trabalho etc.

E, vale lembrar, o principal: a luta contra a mentalidade de sociedade escravagista em que vivemos.

A Campanha da Fraternidade desse ano:

Do exposto, concluímos que melhor campanha não haveria de ser lançada em 2014 pela Igreja Católica. Se os fiéis se envolverem como espera a Igreja e com a ampla divulgação de material (folhetos, livros, cartazes – que já estão circulando em Dioceses por todo o país), além de palestras e pregações, a Igreja conseguirá atingir um grande número de pessoas que podem denunciar e de famílias que serão salvas quando da aproximação de aliciadores.

Entenda o significado do cartaz: (informações do site CNBB)

1- O cartaz da Campanha da Fraternidade quer refletir a crueldade do tráfico humano. As mãos acorrentadas e estendidas simbolizam a situação de dominação e exploração dos irmãos e irmãs traficados e o seu sentimento de impotência perante os traficantes. A mão que sustenta as correntes representa a força coercitiva do tráfico, que explora vítimas que estão distantes de sua terra, de sua família e de sua gente.

2- Essa situação rompe com o projeto de vida na liberdade e na paz e viola a dignidade e os direitos do ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus. A sombra na parte superior do cartaz expressa as violações do tráfico humano, que ferem a fraternidade e a solidariedade, que empobrecem e desumanizam a sociedade.

3- As correntes rompidas e envoltas em luz revigoram a vida sofrida das pessoas dominadas por esse crime e apontam para a esperança de libertação do tráfico humano. Essa esperança se nutre da entrega total de Jesus Cristo na cruz para vencer as situações de morte e conceder a liberdade a todos. “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5, 1), especialmente os que sofrem com injustiças, como as presentes nas modalidades do tráfico humano, representadas pelas mãos na parte inferior.

4- A maioria das pessoas traficadas é pobre ou está em situação de grande vulnerabilidade. As redes criminosas do tráfico valem-se dessa condição, que facilita o aliciamento com enganosas promessas de vida mais digna. Uma vez nas mãos dos traficantes, mulheres, homens e crianças, adolescentes e jovens são explorados em atividades contra a própria vontade e por meios violentos.

Pronunciamento do Papa hoje

O papa Francisco pediu nesta quarta-feira aos brasileiros que se mobilizem contra “a praga social” que representa o tráfico de seres humanos, pois “a dignidade é igual para todos.

Não é possível permanecer indiferente sabendo que há seres humanos comprados e vendidos como mercadorias! Levemos em conta as crianças que tem seus órgãos retirados, as mulheres enganadas e obrigadas a se prostituir, os trabalhadores explorados, sem direitos, sem voz. Chegando a esse ponto, é necessário um profundo exame de consciência: quantas vezes toleramos que um ser humano seja considerado um objeto, exposto para ser vendido como um produto ou para satisfazer desejos imorais? – Papa Francisco

Além de tratar dessas modalidades já explicitadas acima, o Papa nos trás uma reflexão sobre a escravidão dentro de famílias. Uma abordagem que muitas vezes não é feita pela mídia e estudiosos, mas que trará uma nova consciência para mulheres e homens que frequentam a igreja e muitas vezes não escondem problemas físicos e psicológicos causados pela “escravidão familiar”.

Falando dessa escravidão no seio familiar, o Papa enfatizou:

Pais que escravizam seus filhos, filhos que escravizam seus pais, cônjuges que esqueceram o chamado desse dom, se exploram como se fossem produtos de consumo, de usar e descartar; idosos sem um lugar na sociedade e crianças e adolescentes sem voz. Como se pode anunciar a alegria da Páscoa sem ser seres solidários com aqueles aos quais se nega sua própria liberdade? A dignidade humana é igual para todos os seres humanos: quando firo a do outro, firo também a minha. É a liberdade para a qual Cristo nos libertou. – Papa Francisco

E FAÇA SUA PARTE! Denuncie!

E vocês, o que acharam da Campanha 2014?

(leia mais…)


11
novembro
2012
Fique linda por dentro e por fora!!! ♥

Olá, meus amores!!! Olha, vim aqui lembrá-los da campanha Operação Sorriso do Brasil!!!!!!  [blis]Comprando os batons especiais da marca #Contem1g, você ajuda na realização de cirurgias de lábio leporino em crianças. Eu garanti o meu bem vermelhão, mas tem cores mais discretas também… rs É uma forma de ficarmos bonitas por dentro e por fora! O batom tem uma textura macia e boa durabilidade. Vale muito a pena ajudar, né?

Você pode se informar melhor sobre o que é o lábio leporino e as doações para a realização de cirurgias na página da Contem 1g ou no site da própria Operação Sorriso[lip]

Para você ter uma ideia do bem que a sua compra poderá fazer na vida de crianças, olha a diferença:


17
outubro
2012
Engaje-se no Outubro Rosa

Em OUTUBRO, o mundo se veste de ROSA para SALVAR VIDAS.

E no programa Encontro Político fizemos um vídeo com informações para que as mulheres – e homens – saibam mais sobre a necessidade de exames de diagnóstico precoce do câncer de mama:

Assista: